Volver

Os carros correm velozes pelas voláteis avenidas
Lua não se percebe
Tampouco cantos, campos de corujas
O sopro da brisa ou qualquer coisa assim
Que tocam os sentidos d’alma
Pisei em todos os versos escritos em nossa pele
E as margaridas dos canteiros da cidade
Se cansaram de queimar ao sol

Comprei jornais, cigarros
Competi para a manutenção da sociedade civil
Gozei ofícios, cédulas, promoções
Risos de criança não mais
E sem tentar nadar os mares de Anchieta
Morri em ruas sem beira-mar
Calçadas de Jardim da Penha

Confabulei revoluções,
Noites de amor ao som de Gardel
Cervejas e xotes em Campina Grande
Mas ser poeta custa gotas de sangue e álcool
Luas, corujas e cabelos ao vento
Mas quem há de querer isso?
Se amanhã os ponteiros me tomam às seis da manhã
Melhor que agora eu volte à minha caixa de realidades
Para arrancar essa camisa ainda suja de poesia

Nenhum comentário:

Postar um comentário