Noites Demais

Chegam mais e mais
Trocando cumprimentos e sorrisos
Empertigados espíritos
Mostram aos olhos atentos
As folhas caídas
De outras estações
Nada a ver com algo belo
Da beleza dos estetas
Digo de areia e lama
Suor escorrendo das testas
Bicas de sentimento fluindo
Dos lábios das paixões das ideias
E porque não
De substâncias secretas
Guardadas por mãos negras

As noites encolhidas passam
Temerárias horas de espera
Doses e mais doses de conversa leda
Composta em tantos ruídos que me escapam
A melodia dos sonhos
Do voo de borboletas
Da voz feminina à minha frente
E ainda muita coisa falta
Os espaços vazios
Vagões sobre trilhos comprimidos de desejos
Sinceros beijos sorridentes
E ainda sobra tanta coisa
Que um olhar atento poderia revelar
Mas nós estamos cegos

Nenhum comentário:

Postar um comentário