Passados


O tempo para quando se espera
Aí não há tempo
Há o que for
Pensamentos longos
Palavras perdidas
Nos labirintos da memória
Insatisfações

O anelo está em si
No ser que deseja
Na temporalidade do querer
Seja o que for
Espera-se o fim
Da espera
Satisfação

Alheios instantes seguem
Ponteiros girando incessantes
E ao que foi feito
Sentido no próprio
Desejo satisfeito
Consome o prazer do gozo
Seja qual for

O tempo se cria do que passa
De passos
Pegadas na areia da praia
Ou qualquer outra metáfora
Criamos o desejável
E o desprazer da ânsia
Por isso corremos
Seja quem for
Para alcançar-se
Satisfeito

Dos passos criamos tempo
E este é todo apressado
Vivendo de anseios frustrados
Momentos de espera
ou gozo
Seja o que for
Fomos
E assim estamos
Passados

Nenhum comentário:

Postar um comentário