De grilos e borboletas

Acertamos os passos
Caminhos traçados em papel de pão
Baseados em mapas incertos
Desenhados a quatro mãos
Lembro até de ficar excitado com a ideia
De sairmos por aí
Ver as pessoas
Falar com línguas que não conhecemos
Deu até vontade de sair lambendo o mundo
Só pra sentir o gosto
Colecionar sabores
Pra temperar nossas carnes
E quem sabe até flagrar
Dois grilos se amando
No gineceu de uma papoula
Em jardins com a idade do mundo
Ou uma velha senhora esmolando sob uma árvore
Tão velha quanto nós dois juntos
E embriagado dormir
Sobre o verde dos seus olhos
Sob a lua crescente
Com borboletas girando
Da efervescência do meu estômago
Até o céu da sua boca

Nenhum comentário:

Postar um comentário